top of page

Voluntariado: as recompensas em compartilhar - Entrevista com Laila Covolan



Ao fim do ano, é chegado o momento de reflexão, de estipularmos metas, desejos e sonhos para 2024. Na lista de coisas a fazer pode estar ler mais, plantar uma árvore, ou doar seu tempo para ajudar alguém. Este último pode ser realizado por meio do voluntariado.


O programa de voluntariado da Aventura de Construir tem como objetivo valorizar as competências e experiências dos voluntários para que seus conhecimentos possam ser compartilhados e colocados a serviço de jovens, microempreendedores e famílias de baixa renda.


Desta forma, os voluntários se tornam agentes contribuintes para o crescimento humano e econômico nas comunidades, melhorando a qualidade de vida, a geração de renda e o trabalho de centenas de vidas nas periferias.


E para falar um pouco sobre a experiência de colaborar com a AdC, no Blog AdC de hoje entrevistamos a publicitária Laila Covolan, que após participar de nossos projetos como beneficiária, se tornou voluntária para realizar capacitações sobre marketing. Confira abaixo como foi a conversa:   


Aventura de Construir: Laila, por favor se apresente, fale sobre sua atuação profissional e como conheceu a AdC…


Laila Covolan: Eu sou formada em publicidade e propaganda, e já trabalhei em diversas empresas na área de marketing. Quando fui demitida de uma delas, fiquei um ano desempregada, sem achar emprego, e acabei indo para a área de educação, o que não tinha a ver com minha formação. 


Eu fui educadora social em uma instituição filantrópica que atende crianças de baixa renda, então tive contato com esse universo. Olhar aquelas crianças sem muita perspectiva de futuro e ter a chance de mudar isso é um belo trabalho, mas eu não nunca fui educadora ou professora. Não tinha a ver com a minha formação, então era muito cansativo para mim.


Então pedi para sair da instituição e, depois de um tempo, comecei a pesquisar sobre empreendedorismo. Mesmo antes de abrir a empresa eu tinha certeza que queria ser justa, queria estar com meu CNPJ, emitir nota fiscal, fazer as coisas do jeito certo. Assim, no início de 2020, abri a Agência São Francisco. Foi “no susto”, sem muitos planos. Eu sabia fazer e queria fazer, era basicamente isso.


Na mesma época, outra ONG estava oferecendo cursos de empreendedorismo, próximo da minha casa. Porém, para minha surpresa eram apenas 60 vagas para mais de 300 mulheres inscritas. O curso era presencial e acabou não acontecendo por causa da pandemia. 


Depois disso, eu vi um anúncio no Instagram do shopping Grand Plaza falando sobre um curso online de empreendedorismo, realizado pela Aventura de Construir. Na hora mandei mensagem para saber mais, a Raquel me retornou e explicou os detalhes. A minha primeira pergunta foi:  "vão falar de precificação?" Achava que essa era a minha única dúvida e achava que todo o resto eu já sabia. 


Assim, a Aventura de Construir entrou na minha vida. Depois do projeto da AdC, fiz aquele curso que queria fazer anteriormente, então foi interessante ver os dois lados. A gente vê linguagens diferentes, mas a gama de conteúdo da Aventura de Construir é infinitamente maior, e também a proximidade de assuntos me ajudou bastante. 


Ao decorrer do curso, falaram sobre administração, precificação e percebi que estava se desenhando para chegar na área de marketing. Então, chamei a Raquel e me ofereci para ajudar. Eu nunca havia ministrado uma aula sobre o assunto, mas poderia compartilhar o que eu sabia. Ela me passou a estrutura das aulas e desde então estive em várias turmas dos cursos. 


Comecei sendo chamada a ministrar aulas, depois as consultorias e até as assessorias. A Aventura de Construir abriu portas e um universo que lá atrás eu nunca imaginei que ia existir. 

Ser voluntária e poder fazer diferença na vida das pessoas é muito gratificante. Encontrar com empreendedores daquela época, com novos empreendedores que eu conheci, e perceber que conseguimos ajudar com coisas simples, como mexer no Instagram, é muito mágico. Às vezes não temos noção do poder e da influência que temos.


AdC: O que a Aventura de Construir tem de especial na forma como aborda os conteúdos e realiza o trabalho?


Laila: Ao meu ver a Aventura de Construir é mais humanizada. Outros cursos impõem filtros, realizando projetos exclusivos para certos grupos de pessoas. Nunca vi a Aventura de Construir excluir alguém. Sei que o foco é o empreendedorismo periférico, mas mesmo aquelas pessoas que não estão tão próximas da periferia, como eu, são acolhidas com o objetivo de fazer o seu negócio dar certo.


A AdC tem um olhar que não vê apenas um CNPJ. Existe um CPF por trás, uma pessoa que terá dias que não está animada, que vai ter frustrações. Isso me marcou muito. E quando eu estive nesse curso antes da Aventura de Construir, claramente existia um filtro e uma categorização na qual eu não me encaixava.


E agora, com a rede Avante Empreendedor, há essa iniciativa de não apenas entregar um certificado e abandonar os participantes, como se fosse apenas um número. Existe um olhar mais completo de acompanhar esses protagonistas, acompanhando as suas trajetórias.


AdC: Você esteve dos dois lados: como aluna e como professora. Que características você destacaria dos beneficiários da AdC? 


Laila: Uma característica muito potente dos empreendedores é a força de vontade. A maioria descreve suas dificuldades durante os projetos, e descobrem que existem diversas outras. E, mesmo assim, existe essa sede por conhecimento. Isso porque acreditam em seus negócios e colocam as energias para dar certo, assim como foi comigo.


A Aventura de Construir auxilia nesse sentido, percebendo o que os empreendedores querem, mas sobretudo o que eles precisam de fato. Primeiro devem estruturar o administrativo do negócio para depois olhar para iniciativas de marketing, por exemplo.


E outra questão que acho muito forte é a adaptação para a realidade do empreendedor. Muitas vezes existe uma dificuldade que os impede de assistir às aulas e participar dos momentos online, mas a Aventura de Construir procura partir da realidade de cada um e "encaixar" os conteúdos e aulas a disposição de cada um. 


AdC: Pensando no voluntariado de uma forma geral, por que é importante ser voluntário? O que isso agrega para uma pessoa?


Laila: Nós recebemos muita coisa de graça todos os dias, então "se doar" é o mínimo que podemos fazer. Quando eu falo o mínimo é compartilhar conhecimento com todos, até mesmo com alguém da mesma área em uma capacitação, por exemplo. 


O voluntário deve entender que é preciso participar da vida do outro. O "pagamento" é saber que de alguma forma conseguiu marcar a trajetória de alguém, e é muito bom receber uma mensagem dos empreendedores agradecendo pelo conteúdo passado. Percebemos que eles estão adaptando os ensinamentos para suas realidades. Sei que daqui a dois anos podem não lembrar da Laila mas vão lembrar do conhecimento que compartilhei com eles. 


Então essa é a maior dádiva que temos, transmitir o conhecimento para outra pessoa, existem várias formas de transmitir o conhecimento, mas alguém vai se identificar com o meu jeito. 


Quanto mais voluntários tivermos melhor porque conseguimos chegar mais próximo de cada pessoa com a sua realidade. Às vezes temos medo de não sermos voluntários e não conseguirmos ensinar e apoiar, mas eu, por exemplo, não sabia e aprendi conforme as aulas foram acontecendo. É preciso um " jogo de cintura" e aos poucos vamos aprendendo.


Meu foco sempre é: O que eu posso transmitir para os outros além do conteúdo? Se cada um trouxer um pouco de si, vamos chegar mais próximo da realidade de cada um.


Seja você também um voluntário da Aventura de Construir! Saiba como no link: https://www.aventuradeconstruir.org.br/o-que-voce-pode-fazer 


Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page