top of page

Dia Internacional da Não Violência

A violência institucionalizada em nossa sociedade anuncia sua própria continuidade de modo impassível e implacável. Seja no interior dos lares, na convivência escolar, nas ruas e ambientes de convivência múltipla, no relacionamento entre pares, amantes ou familiares de todos os graus, em pleno 2019 ainda lemos, ouvimos, vemos e vivemos situações extremamente violentas.

Mas o que mais assusta neste cenário devastador? 

  1. As estatísticas mensuradas pelas instituições e organizações de segurança e justiça?

  2. Os prontuários que resultam em laudos que comprovam o exercício de violências brutais?

  3. A existência de instituições que só operam pela própria violência?

  4. As guerras militares, civis, religiosas… ora tão distantes, ora no interior da cidade que vivemos?

São muitas perguntas que surgem diante da primeira, mas todas associam-se ao avanço de uma sociedade que busca responder todos os níveis de violência com mais violência. Por meio desta racionalidade, podemos enxergar com clareza o que precisamos enfrentar pela frente. Embora o mundo finalmente esteja se transformando muito, a violência não vai acabar amanhã… E, pelo andar da carruagem, talvez ao contrário. 

Justamente por isso o Dia Internacional da Não Violência deve ser lembrado e discutido, mas de modo algum celebrado – tendo em vista a própria necessidade de existência de uma data como esta. Não haverá o dia em que este tema não precisará ser lembrado, mas é possível sim nos transformar e transformar nossas realidades para que a violência institucionalizada não seja algo tão banal. 

Essa data, 02 de outubro, foi escolhida pela ONU por ser o nascimento de um dos maiores porta-vozes da causa, Mahatma Gandhi (1989-1948). Para as Nações Unidas, o exercício da não violência é uma tarefa coletiva, jamais exclusiva aos governos e organizações internacionais: “A paz pode ser alcançada numa mesa de negociações, mas são as comunidades que a consolidam. A paz começa no coração das pessoas que estão empenhadas em alcançá-la. Cada comunidade, família e pessoa têm um papel determinante a desempenhar na eliminação da violência e para a criação de uma cultura de paz”.

Mas o que a Aventura de Construir tem a ver com este tema? O ponto chave é: nossa missão de desenvolvimento territorial inclusivo envolve uma série de benefícios através do fortalecimento da própria comunidade: melhora na qualidade de vida e saúde familiar, estabilidade escolar dos filhos, desenvolvimento de uma economia circular e de novos negócios, respeito às diversidades, redução das violências e muitos outros aspectos.

Dentre esses elementos supracitados, a questão da redução da violência é um pilar extremamente relevante. Em relação às áreas da periferia da Zona Oeste que atendemos, nota-se que elas não estão entre os bairros mais violentos de acordo com a Secretaria de Estado da Segurança Pública de São Paulo. Por mais complicada que seja essa mensuração, a qual pode ser analisada aqui, entendemos que nosso trabalho realizado nos últimos anos, junto com a presença de outras instituições como a ATST e Educar para a Vida, tem efeito positivo sobre as pessoas que vivem nestes territórios. 

A Aventura de Construir não é responsável diretamente por este quadro, mas com certeza o é indiretamente, a partir do nosso esforço em formar protagonistas que multipliquem seus aprendizados no interior de suas comunidades e relacionamentos. Hoje, nós ainda não podemos celebrar o Dia Internacional da Não Violência, mas podemos afirmar que colaboramos para que este tema seja discutido e refletido em todos os níveis de nossa sociedade em transformação, em especial com as populações mais vulneráveis. Assim, esperamos contribuir para que a vida das pessoas de baixa renda, as quais são atravessadas por diferentes tipos e graus de violência cotidianamente, possa melhorar e ser fortalecida a partir do protagonismo.

Nós esperamos que esse Dia Internacional da Não Violência, e a vida de Mahatma Gandhi, nos inspire hoje e sempre a colocar em prática uma comunicação não violenta em todos os níveis e aspectos da vida!

Comments

Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page